Companhia de Caçadores 2759

Res Non Verba

.

Início

História

Hino da Companhia

Sempre Presente

Zonas de Intervenção

Imagens da Comissão

Ecos dos Convívios

Imagens dos Convívios

Notícias

A Voz dos Kurikas

Os que já partiram

Fundo de Assistência

Contactos

José Gouveia

Telem: 966124291

jomago47@gmail.com

Victor Lourenço

Telem: 966869648

vitoralourenco@sapo.pt

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma Caminhada de Fé

A Companhia de Caçadores 2759

Sempre Presente

Caros Companheiros:

Tenho de confessar que sinto algumas dificuldades em como abordar este tema. Não pela sua natureza, pois como católico e praticante não sinto qualquer inibição em o fazer, mas sim porque tenho de falar de alguém, a quem me une uma amizade fraternal, e não sei como ele poderá reagir a tornar publico uma situação que é intima. Espero meu Caro Zé que compreendas o porquê, uma vez que a nossa C.Caç 2759 esteve sempre presente ao longo da tua caminhada solitária, juntamente com as tuas intenções particulares.

Começava assim a caminhada com este primeiro email:

…………..
ELVIRINHAS

Será estranho começar um relato de uma peregrinação a Fátima, com este título
Mas lá chegaremos á justificação
A alvorada foi ás 6h00 a saída de casa foi ás 6h45
O objectivo Fátima,
Já o fiz algumas vezes, sempre com começo em Lisboa, espero agora ser
capaz de chegar ao fim daqui a 210 km


No primeiro dia é sempre a mesma sensação, é dificil começar,as
dúvidas são muitas principalmente quanto ao estado da máquina ( -sendo
eu a dita máquina! )
Estado fisico e mental, quando faltarem as forças é a cabeça que vai
comandar e decidir tudo. Por vezes me pergunto como é que um fraco
católico , tem esta quase obsessão por voltar a Fátima, não de carro
ou de camionete, mas a pé.
É estranho, mas já estou a pensar no próximo ano , e ainda a procissão
vai no adro


Lá saí de VILA NOVA DA BARONIA  ( VNB ) a caminho de VIANA DO
ALENTEJO, onde tomei o meu habitual pequeno almoço.e seguidamente
atirei-me á estrada. 3 horas non stop até ás Alcáçovas
Onde cheguei  pouco passava das 11h.
Estes percursos em  terra onde não se passa nada a não ser paisagem,
aproveito-os para rezar pois vou em peregrinação.
Nas Alcáçovas fiz uma refeição ligeira acompanhada de muita água com limão .
-O Alentejo está um forno !
Deixei as Alcáçovas ao meio-dia para cumprir os últimos 17km dos 40 que me impús
A paragem fez-bem
Entretanto falaram-me os amigos de sempre ,e é sempre bom contar. Com
estas chamadas principalmente quando se vai sózinho.
E lá ia eu entre Avé Marias, e mais uma ou duas chamadas telefónicas,
quando dou comigo junto a uma manada de 20 ou 30 vacas lindas de
morrer a pastar numa herdade que bordejava a estrada.
Como ia sózinho,(e um peregrino sózinho não tem que se preocupar com o
que parece isto ou aquilo)
Dirigi-me ás vacas e cumprimentei-as:
-cumprimentei-as mesmo, olá meninas lindas , bom dia e até fiz um
sonoro MUUUUU , (coisas de quem vai sozinho !).
Para meu espanto as vacas pararam o que estavam pachorrentamente a fazer,
A recomer á sombra dos sobreiros , e vieram á vedação que as separava
da estrada , fixaram-se em mim , então  voltei ao caminho, e para meu
espanto elas acompanhavam-me do lado de lá do arame , ultrapassaram-me
e quando chegaram a um cancela fechada , formaram todas. Literalmente
, umas ao lado das outras para me ver passar
Fiquei maravilhado com o acontecimento, e como entretanto estava junto
a uma placa que me indicava  " Água das Elvirinhas " logo as baptizei
de Elvirinhas. E lá iam as Elvirinhas ao passo e ao trote e até ao
galope  , acompanhando a minha marcha , elas de um lado da cerca e eu
do outro.
Avançavam em relação a mim e vendo que eu era mais lento , voltavam
atrás . Retomei então  a conversa  , " lindas meninas MUUUU" enfim...

Durante o dia lá íamos falando para ver como estava a moral e as forças físicas, e as noticias eram sempre agradáveis: boa disposição, muita força e acima de tudo muita fé. Depois mais um email a fazer o ponto da situação do dia e que aqui deixo a sua transcrição.


Meus Caros Amigos e  Amigas
Apesar da minha provecta idade
Quase nos 67
Lá cheguei a Casa Branca
No meio do Alentejo
Contabilidade
210-40=170

Um abraço a todos

E assim fomos acompanhando esta jornada de fé com mais um texto maravilhoso de alguém que tinha como companhia a natureza e a FÉ em NOSSA SENHORA.

…………

Como estava em início de dia e precisava de ritmo, rezei a minha Avé
Maria militar,fortemente inspirada nos dias da minha recruta , e lá
segui eu a toque de caixa até ao
Reguengo dezanove km depois onde finalmente consegui fazer as pazes com a fome
Entretanto ,Montemor estava á vista, um pulo de 5km.
Fez-me bem ver cá de baixo, o castelo em ruinas , no topo de um monte
todo ele verde e plantado de oliveiras. Lembrou-me a Ressurreição ,
poema do Diogo Pacheco de Amorim
Que musiquei e que canto e serve de Hino a muitas e louváveis instituições
E logo imaginei uma revoada de guerreiros alados erguendo as espadas ,
entre as oliveiras...
Mas havia que continuar em direcção ao pôr do sol, não montado num
cavalo hollywoodesco mas sim socorrido da minha Avé Maria militar,e
montado nas minhas pernas, segui pela estrada Santarém
/Coruche,informações assustadoras na sinalização colocaram-me a
noventa km de Santarém. E depois de Santarém faltam mais oitenta e tal
para Fátima.
Bem o melhor é nem pensar nisto e seguir em frente :-Avé Maria Cheia
de Graça !.. Ao toque da caixa que instalei na minha cabeça e dou
comigo naquelas rectas alentejanas e desmoralizadoras que nunca mais
acabam,
Mas a natureza tem coisas fantásticas,
 mal comecei a sentir a primavera através dos cheiros e das cores
mudei de registo. Montes verdes roxos amarelos regados com papoilas
,não saltitantes mas de um vermelho gritante , fizeram-me ficar bem
disposto.
Ao km 29 da minha caminhada numa daquelas rectas infindáveis existe uma espécie de santuário de cegonhas, coisa fantástica de que vou tentar juntar uma fotografia , fui informado que os filhos das cegonhas ,que com elas dividem os ninhos , só o poderão fazer até ao próximo São João, a assembleia da natureza decretou que no mundo das cegonhas quem não souber voar até ao São João, é pura e simplesmente corrido do ninho e depois que se desenrasque . Lembrei-me logo de mim que vivi no ninho dos meus pais quase toda a minha vida.

   Clique na imagem para ampliar

Depois foi o continuar da caminhada onde o nosso camarada ARNALDO VASQUES prestou a sua colaboração logística que se revelou preciosa na ajuda e no acompanhamento.

Depois de lerdes tudo isto, é caso para perguntar: mas em que circunstâncias entra a ligação à Companhia de Caçadores 2759? Pois bem ela aqui vai: na véspera da chegada a Fátima, eu e o Zé combinamos que às 09h00 da manhã seguinte, aproveitando as novas tecnologias e quando a sua chegada a Fátima estaria a pouco mais de meia hora, rezarmos o terço em conjunto pelos nossos camaradas falecidos em combate, pelos que partiram depois da comissão e pelos nossos queridos doentes e por todos os que se encontram em dificuldades; todos os nomes foram mencionados durante a recitação do Rosário. Foram momentos de forte emoção em que não conseguimos deixar escapar uma lágrima de agradecimento À VIRGEM MÃE , pelos nossos camaradas para quem pedimos a sua protecção DIVINA, para todos nós e nossas familiares e as forças físicas e de FÉ que a VIRGEM DO ROSÁRIO deu ao Zé para cumprir o seu desiderato demonstrando ainda todas as suas boas capacidades físicas, mas acima de tudo o seu amor a DEUS E A NOSSA SENHORA.

Para ti, meu grande e querido amigo, o meu abraço muito fraternal.

ZÉ GOUVEIA

5 DE Maio de 2014

 

 

.

 Contacto:  E-mail: jomago47@gmail.com    Telemóvel: 96 61 24 291

.